Plano de saúde deve arcar com o custo do tratamento para fertilização in vitro?

A dúvida é frequente, porém, considerando a legislação atual e as inúmeras variáveis físicas/patológicas causadoras da infertilidade, é imprescindível a análise do caso especifico para avaliar as chances de sucesso de uma ação judicial, mas existem decisões judiciais favoráveis aos consumidores.

De concreto, o tratamento da infertilidade, como outros, consta nos contratos de plano de saúde como excluído de proteção contratual, contudo, semelhantemente ao que ocorrem em outras situações, tal exclusão, quando questionada perante o Poder Judiciário, pode ser considerada abusiva e o plano de saúde é condenado a custear o tratamento e/ou a reembolsar os custos dispensados pelo consumidor, podendo também ser condenado a pagar valor a título de danos morais.

E o direito do consumidor está lastreado em vários dispositivos legais, dentre eles o fato de que a infertilidade feminina está relacionada na Classificação Internacional de Doenças da Organização Mundial de Saúde[i] e o inciso III do Art. 35-C da Lei 11.935/09[ii] considera que o plano de saúde deve cobrir o planejamento familiar.

Assim, até porque não consta na Lei que o planejamento familiar é sinônimo da utilização de técnicas apenas para evitar a gravidez, é possível extrair que o legislador considerou como planejamento familiar o uso das técnicas para evitar a gravidez indesejada como também para possibilitar a gravidez.

Dessa forma, algumas pacientes que tentam sem sucesso engravidar e cuja infertilidade é decorrente de alguma doença e/ou anomalia devidamente comprovada, estão obtendo decisões judiciais favoráveis e tendo o tratamento para infertilidade honrado pelo plano de saúde.

Porém, em quase todos os casos em que a paciente foi beneficiada, o sucesso na proteção judicial foi decorrente de um minucioso e detalhado relatório médico, listando todos os procedimentos que já foram realizados, quais as doenças e tratamentos pelo qual a paciente se submeteu e outros dados clínicos que conseguem demonstrar que a situação enfrentada, e, portanto, que necessita do tratamento requisitado, supera e muito a dificuldade que algumas mulheres possuem para engravidar.

Entretanto, até em razão dos custos dos tratamentos, que podem superar facilmente R$ 30.000,00, e em razão de fatores clínicos e estatísticos, é possível observar que a maioria das decisões judiciais beneficiam mulheres com idade superior a trinta e cinco anos e muitas vezes há a limitação da quantidade de tentativas para o sucesso da fertilização, sendo garantido na grande maioria das vezes o pagamento de até três tratamentos. Porém, em algumas situações, mulheres mais jovens e/ou o número de tentativas poderá variar, afinal quando o assunto é saúde a decisão judicial é lastreada sempre no caso concreto, inclusive em razão da técnica que poderá ser utilizada para fertilização.

Assim, necessário trazer à colação algumas decisões, senão vejamos:

“FERTILIZAÇÃO IN VITRO. Ação de obrigação de fazer. Autora portadora de endometriose. Prescrição médica de fertilização in vitro. Negativa abusiva. Planejamento familiar. Cobertura obrigatória, nos termos do artigo 35-C, III da Lei n° 9.656/98 e do artigo 2° da Lei n° 9.263/96. Ação procedente. RECURSO DESPROVIDO” (Apelação nº 1018012- 97.2014.8.26.0602, rel. Des. Alexandre Marcondes, 3ª Câmara de Direito Privado, j. 10.09.2015).

 

“SEGURO-SAÚDE. Endometriose pélvica e infertilidade primária. Tratamento. Fertilização in vitro. Prescrição médica após a frustração de outros tratamentos. Patologia não excluída da cobertura contratual e listada na Classificação Estatística Internacional de Doenças. Artigos 10 e 35-C, III, da Lei 9.656/98. Ação cominatória procedente. Apelação não provida.” (Apelação nº 1002110-34.2014.8.26.0011, rel. Des. Guilherme Santini Teodoro, 2ª Câmara de Direito Privado, j. 31.03.2015).

Portanto, semelhantemente ao que ocorre em outras situações envolvendo recusa para a realização de qualquer procedimento por parte do plano de saúde, a busca pelo advogado especializado poderá ser útil.

[i] CID 10 – N97 – Infertilidade feminina

[ii] “Art. 35-C. É obrigatória a cobertura do atendimento nos casos:

III – de planejamento familiar

Sobre Alexandre Berthe Pinto

Alexandre Berthe Pinto – É advogado, Membro da Comissão de Direito Condominial da OAB/SP 2017/2018, atua nas áreas de Direito Bancário, Consumidor, Condominial, Saúde, Imobiliário, Responsabilidade Civil e Indenizatória, Família e Sucessões e Contencioso Civil. Inscrito na Ordem dos Advogados do Brasil Secção de São Paulo, membro da Associação dos Advogados de São Paulo, cursou Pós Graduação em Direito das Famílias e das Sucessões (EPD) e Pós Graduando em Direito Aplicado aos Serviços de Saúde. Responsável pelo conteúdo dos blogs: www.radioterapiaimrt.com, www.problemasnocondominio.com, www.dividadecondominio.com.br www.fraudebancaria.com,e outros.* Contato: Comercial: +55 11 5093-2572 - E-mail: alexandre@alexandreberthe.com.br Skype: alexandre.berthe - WhatsApp: +55 11 94335-8334 Imprensa: +55 11 98238-8231

Publicado em 26 de abril de 2016, em Condominial, Saúde e marcado como , , , , , , , , , , , , , . Adicione o link aos favoritos. 2 Comentários.

  1. Olá tenho interesse em entrar com uma ação pro convênio cobrir minha fertilização em vitro, gostaria de algumas orientações.

    Curtir

Deixe uma resposta para Raquel Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: